SABORES DE PORTUGAL 0

Vinhos por tipo - LICOR

LICOR GINJA D OBIDOS 500ML  -

LICOR GINJA D OBIDOS 500ML

222

R$ 180,00

R$ 118,00

calcule o frete

GF
1.25
8
33
8
1.25

Ficha Técnica

Região: Lisboa
Categoria: Licores e Vinho Licoroso
Produtor: Ginja d´Óbidos
Produtor: Frutóbidos

Teor Alcoólico: 20%

Cor: Vermelha

Aroma: Aroma da fruta.

Prova: É doce, aveludado e redondo.Observações: O licor Ginja d’ Óbidos deve ser servido a 10ºC, para se desfrutar toda a elegância do licor mais famoso de Portugal. A designação “ com elas” é devido ao fato de no fundo da garrafa estarem depositadas algumas ginjas, uma fruta da família da cereja. O Licor de Ginja na História A ginja, fruto agridoce da família das cerejas, tem a sua origem na Ásia Menor, no litoral do Mar Cáspio. O famoso gastrônomo romano Lúculo (110-74 AC), conhecendo as inúmeras propriedades medicinais (digestivas e diuréticas) deste fruto, levou a planta para Roma, tendo-se propagado pela Europa. Na Etnografia Portuguesa, José Leite Vasconcelos, refere que Plínio o velho (séc. I DC), famoso escritor romano, louva as ginjas da Lusitânia. No município da bonita vila medieval de Óbidos, graças ao seu particular microclima, são produzidas as melhores ginjas silvestres da Europa. Com a técnica de destilação do álcool, herdada da civilização árabe e com o açúcar (especiaria dos descobrimentos portugueses), Portugal possui, então, os três principais ingredientes necessários para produzir o mais famoso licor português. A origem do licor de Ginja de Óbidos, na província da Estremadura, é conventual. Foram os frades beneditinos que inventaram a preciosa receita para “deleite do seu espírito” tendo divulgado o seu segredo que se tem mantido de geração em geração. A comunidade judaica divulgou-o comercialmente e, desta forma surge gradualmente nos botequins e tabernas típicas, frequentadas pela burguesia, dando-lhe um cariz marcadamente nacional, especialmente da histórica e famosa boemia lisboeta. São inúmeros os escritores e artistas que referenciam a tão única “ginjinha”. Destacamos a maior e saudosa fadista portuguesa, AMÁLIA RODRIGUES, que cantou e louvou a “ginjinha” num dos seus imortais fados.